Vingadores e a Racionalidade Limitada

vingadores

*contém spoilers do primeiro filme dos Vingadores – Vingadores: Guerra Infinita.

O assunto mais falado ultimamente é o novo filme dos Vingadores (Vingadores: Ultimato).

“Vingadores” não é apenas um dos filmes mais comentados e esperados, é, também, uma aula bem divertida de Economia Comportamental.

Prova como nossos processos decisórios são complexos.

Além disso, prova ainda que quando pensamos ser racionais e justos podemos estar apenas tentando nos convencer disso, quando na verdade estamos sendo muito injustos e antiéticos.

De modo geral, como você se avalia?

Você se enxerga como aquela pessoa ponderada que analisa todos os prós e contras antes de tomar alguma decisão?

( ) sim ( ) não

É mais “matemático” e procura pôr na balança cada notícia e opinião que lê no dia-a-dia?

( ) sim ( ) não

Quando sai para comprar algo que está planejado, você faz uma pesquisa de preços, avaliando também os benefícios e o tempo de utilidade?

( ) sim ( ) não

A razão de Thanos

Dizimar metade do universo por um único – “e racional” – motivo:

“ São cálculos simples. O universo é finito. Os recursos são finitos”

Além disso, pensando ser lógico e justo, Thanos foi em busca da possibilidade de fazer sumir metade da população do universo sem que houvesse dor e sem que existisse uma seleção entre ricos e pobres ou distinção de gênero e raça. Diante da análise dele, todos estavam no mesmo nível.

Você concorda que o raciocínio de Thanos é completamente lógico mesmo que perverso?

( ) sim ( ) não

A Racionalidade Limitada

vingadores

A Teoria da Racionalidade Limitada, de Herbert Simon ( Nobel 1978), procura explicar que certos aspectos influenciam nossos processos decisórios porque nossa racionalidade tem um limite.

Por não termos tempo disponível, toda informação necessária e por termos limitações cognitivas, as nossas decisões nunca conseguiriam ser 100% baseadas na lógica e em todos os fatos relacionados.

Algo que a sua lógica deixou de levar em consideração foi que esses cálculos jamais seriam simples: analisar recursos, crescimento populacional, miséria, enfim…uma sorte de dados de um País já tem uma grande dificuldade, imagina do Universo.

Então o que fez com que Thanos tivesse tanta certeza de que estava certo?

O viés da confirmação de evidência.

Este viés cognitivo faz com que as pessoas deem atenção apenas aos fatos que confirmem as suas crenças anteriores.

Ele acreditava que se aquela solução para a miséria fosse ouvida pelos líderes de seu planeta, teria poupado o seu povo do sofrimento.

Marvel “refutou” o homo economicus

Além disso, traz outra discussão: a questão da ética.

Vingadores é uma aula de Economia Comportamental.

Um dos assuntos que interessa bastante à Economia Comportamental é a relação do indivíduo com a ética.

Muitos estudos das ciências comportamentais foram voltados à descobrir como as pessoas se autoavaliam e avaliam aos outros diante do que é considerado ético.

Agora pensa comigo:

Quem conferiu ao Thanos esse poder de decidir como resolver os problemas do universo?

A solução não foi – de modo algum – democrática.

Thanos conferiu a si mesmo esta tarefa, e o fez baseando-se em um viés cognitivo.

Imunidade ética

O capítulo 9 do livro Behavioral Business Ethics: Shaping an Emerging Field trata deste termo muito interessante que nos ajuda a compreender como acontecem tantas atitudes antiéticas de pessoas que jamais imaginaríamos.

O que pode fazer com que as pessoas violem os seus próprios padrões éticos? ( ou os padrões que foram construídos cultural e aceitos socialmente.)

As pessoas começam a persuadir a si mesmas que não estão trilhando o caminho antiético, racionalizando suas posturas, de modo que o que seria considerado antiético por ela, deixou de ser pela sua lógica enviesada.

Como resultado, mesmo aquelas pessoas mais conhecidas e admiradas pela sua ética podem acabar caindo no auto engano e tomarem atitudes antiéticas, embasando-se em suas subjetividades.

Imagine um casal.

Certo dia, a esposa encontrou no celular do marido algumas conversas que indicariam que possivelmente ele a tivesse traído.

Diante disso, o seu impulso a fez justificar a si mesma que a melhor solução para aquele problema seria “pagar com a mesma moeda”.

Ao justificar para si mesma que aquela atitude seria mais justa, a esposa traída não estaria agindo eticamente, mas também não estaria sentindo que a sua escolha foi antiética.

Em Vingadores: Guerra Infinita, percebemos esse viés nitidamente no opositor dos vingadores, quando ele tomou para si a responsabilidade de fazer o “bem” pelo universo. Acreditando-se o mais capaz de resolver os problemas do universo e admitindo até a aniquilação de metade da população universal – inclusive sua filha – para atingir este objetivo.

Ele se enxergou desde o início como um benfeitor misericordioso.

Ele foi previsivelmente irracional.

Assim como no artigo que falei sobre Star Wars e Sistema Dual, utilizei o filme Vingadores como um exemplo para mostrar como as descobertas da Economia Comportamental são tão facilmente encontradas no dia-a-dia.

Nenhum de nós é 100% racional e estamos sujeitos a vieses cognitivos dos mais variados tipos, devido à nossa racionalidade limitada.

racionalidade limitada

> veja aqui uma lista de vieses cognitivos e identifique quais você mais usa no seu dia-a-dia.

Gostou do infográfico? Veja mais infográficos aqui.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.